Número 50
Publicado pelo Jornal do Brasil, de 04 de agosto de 2000, pg. 16.
CONJUNTURA


Investimentos mundiais: rumo à concentração da produção?
As transnacionais espalhadas ao redor do mundo, estimadas em 60 mil empresas que respondem por cerca de 25% do produto global, despenderam US$ 827 bilhões em investimentos em 1999, segundo a Unctad. Os países desenvolvidos foram os maiores beneficiados, absorvendo US$ 609 bilhões, com destaque para os integrantes da União Européia, com US$ 269 bilhões, e EUA, com US$141 bilhões. Nos países da América Latina os ingressos ficaram em US$97 bilhões (11,8% do total), dos quais o Brasil recebeu 32%.

O principal motivo da forte expansão dos fluxos de investimentos diretos estrangeiros – 25% a mais em relação a 1998 – foi o número crescente de processos de fusões e aquisições, cujo montante de capital estrangeiro envolvido foi estimado em US$ 1,1 trilhão.

   As fusões e aquisições de empresas e instituições em todos os países tendem a elevar a concentração da produção dos bens e serviços. Isso facilita a adoção de atitudes anti competitivas, que parecem não estar relacionadas à dimensão das economias nacionais, mas a determinadas características da concorrência, ligadas à natureza das barreiras à entrada e à falta de simetria de informações essenciais à competição. As instituições de defesa da concorrência, tal como o CADE, devem ficar muito atentas.